O Mundo de Amanhã... Ontem!

Olá, pessoas celestes do meu jardim no Afeganistão!
Eu sou Fabrício Barros e este é o Catadores de Relíquias voando alto para mostrar a vocês um filme particularmente ruim (para a critica), que não se pagou e que não tem a minima chance de receber uma continuação, nem ao menos uma indecente. Estamos falando de Capitão Sky e o Mundo do Amanhã! Sim pessoas!
Mas antes de partir, não deixe de deixar, deixando por obséquio sua Curtida na nossa página no Facebook https://www.facebook.com/CatadoresDeReliquias, ou nos escrevendo uma mensagem eletrônica para contato@catadoresdereliquias.com.br ou mesmo se quiser nos dar uma palavrinha amigável, deixe aqui nos comentários do post.

Vamos ao Mundo do Amanhã...qualquer dia desses.



Em uma aventura dieselpunk/pulp, somos levados ao final dos anos 30, numa Nova York que inicialmente está sendo invadida por robôs enormes. Uma jornalista ousada, Polly Perkins (Gwyneth Paltrow), estava investigando uma série de desaparecimentos de importantes cientistas ao redor do globo quando a invasão dos robôs acontece. Em socorro dos cidadãos aparece o ás da aviação e aventureiro Joseph "Capitão Sky" Sullivan. Juntos, eles tem a missão de impedir o megalomaniaco Doutor Totenkopf de colocar seu plano de destruição do mundo em prática.
No ano de 2004, esse filme apareceu e desapareceu das salas de cinema, pode ser que tenha voado na exibição (piada ruim). Capitão Sky e o Mundo de Amanhã foi um filme de Kerry Conran (estreando na direção), produzido inteiramente com atores num fundo azul. Todos os cenários do filme foram produzidos em 3D. Foi o próprio diretor que criou as CGIs que permitiram as filmagens, atentando a um detalhe importante, o diretor nunca foi a nenhuma cidade citada no longa, tendo construido tudo por referencias fotográficas de época.
Curiosidade: O ator que interpretava o vilão, Laurence Olivier, já estava morto (na época de estréia do filme) a 15 anos, tendo falecido em 1989. O diretor,usando imagens de arquivo do artista e a mágica da edição fez com que parecesse que o ator estava ali interpretando junto do restante dos atores (estes vivos, por favor).
O Mundo do Amanhã do titulo foi escolhido como referência a Feira Mundial de Nova York (se ela era MUNDIAL, como era em NOVA YORK, se o mundo não cabe lá? Vai saber...) feita em 1939 e 40, época em que se passa o filme.
Outra inspiração, agora com os robôs que aparecem no longa, foi um episódio da animação do Superman (Mechanical Monsters, de 1941), aí em baixo estará o episódio para que você leitor dê uma olhadinha nessa pérola animada.




Por que? Pra que? Por onde?

A pergunta que alguns de vocês devem ter feito é do porque de escolher esse filme para um post ao invés de colocá-lo em mais uma Lista de FDS de filmes e boa. Bem... como já disse mais acima, esse filme foi considerado um fracasso comercial ( Gastou 70 milhões e arrecadou no mundo inteiro quase 58 milhões, portanto nem ao menos se pagou), talvez não tenha um visual atrativo ou história revolucionária para a maioria do público, então por que diabos esse filme mereceria sua atenção?
Pela honestidade e simplismo dele, ele não quer contar uma história para mudar sua vida; se quiser mudar a sua vida é simples: levante-se e vá mudar sua vida; não tem aspectos técnicos que vão fazê-lo vomitar arco-iris, mas foi inventivo, com uma abordagem nova (pelo menos na época,pra mim e tals). Tem Jude Law, Gwyneth Paltrow e até Angelina Jolie numa aventura que diverte sem se aprofundar, oferecendo um mundo novo, mesmo que não tão aprofundado para um RPG maroto, quem sabe?
Foi pessoalmente impressionante na época e pessoalmente eu quero indicar esse filme para vocês.

No final da fila...

Espero que possam apreciar esse filme, como eu apreciei numa sessão de cinema meio vazia num dia aleatório de 2004. Agradeço sempre pelo apoio e pelas ideias. Voem alto e BYE!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

S04E07 - Rádio dos Catadores (com muito Errê)

Aviso Aos Navegantes!!! Novidades À Vista !!!!

Não Repare na Tomada 00 - Cães, Gatos e Apresentações