A Sétima Fantasia Final - 20 Anos

Olá Personas! Sejam bem vindos! Este é um texto baseado num artigo... bom, leiam e eu explico melhor ^~

Este texto começou a criar vida depois de ver um artigo do Omelete (o link vai estar AQUI) que é um especial em comemoração aos vinte anos de Final Fantasy 7, mas não foi aí que eu comecei a matutar sobre o assunto. Eu sempre quis tratar de FF7 aqui no blog mas não sabia como abordar sobre, um pouco é minha inexperiência e medo de escrever algo que fosse muito ruim (resumindo: fui cagão e pessimista e até agora não havia escrito nada) e junto de algumas opiniões de novos gamers que criticavam duramente o jogo por seu visual e tecnicidades (que por acaso, não nego que existam falhas) e comparações com jogos atuais e outros mimimis oportunos. 

Mas aproveitando a data (que por acaso enquanto você está lendo isso, já passou; Final Fantasy 7 foi lançado dia 31 de janeiro de 1997) eu decidi contar um pouco do que eu vivi com este jogo e da minha experiência com ele. Isso é uma opinião pessoal e não é a palavra final sobre o assunto, haverá sempre quem concorde e quem discorde sobre tudo. Deixe aqui nos comentários ou nos mande um e-mail para emailcatadoresdereliquias@gmail.com contando suas impressões e opiniões. Vamos lá então, senta que lá vem história!

Final Fantasy 7, pra mim, foi uma experiência única. Na época eu tinha começado a descobrir o saudoso Playstation 1 numa locadora de jogos próximo de casa. E foi lá que eu descobri, joguei e acabei um dos jogos pelo qual eu tenho muito carinho até hoje. Foram mais de 40 horas lutando, descobrindo tramas e histórias tristes, superando aversidades ao lado de Cloud e sua trupe. Com o tempo eu descobri outros jogos da Square como Chrono Trigger e os outros Final Fantasys e, vendo hoje criticamente, ele não era um dos melhores e isso é aceitável pelo status que ele recebeu como pioneiro na franquia. Final Fantasy 6 por exemplo tem uma história primorosa e Final Fatasy 8 e 9 o superam em vários quesitos técnicos,e isso só citando alguns jogos; mas  mesmo que não seja a melhor história, os melhores gráficos ou mesmo as melhores músicas, ele é a minha melhor história... Foi nele que pude experimentar um mundo fora do meu, fantasiar aventuras e torcer por pessoas que queriam salvar o mundo e em meio de batalhas contra monstros e antagonistas que me marcaram. Qualquer um que ouvir (a voz na sua cabeça lendo) isto pode estar agora procurando no Google o que ele tem de tão impressionante e sendo confrontado com cenários estranhos, personagens SD cúbicos e sem expressão, lutas em turnos e paradas ou mesmo olhando chefes que não impressionam em nada (e isso não digo visualmente, mas conceitualmente) quando comparados a um Kefka Palazzo de Final Fantasy 6 , Jecht de Final Fantasy 10 ou Ardyn do recente Final Fantasy 15.


Kefka (FF6), Jecht (FF10) e Ardyn (FF15)

Final Fantasy 7 foi minha história pessoal, hora após hora na locadora, em frente a uma tevê enorme de tubo,  dedicada a conquistar novos níveis ou novas magias, visitar Costa del Sol ou a icônica Midgard, Gold Saucer e seus jogos e Wutai com seu reino misterioso, saber da história de Red XIII em Cosmo Canyon e da importância da Corporação Shinra no desenrolar dos fatos e dos destinos de todos os integrantes do grupo. Saber, hoje em dia, que com todas as limitações e tentativas de inovação da época, eu ainda pude imaginar e interagir com um mundo com tanta coisa e tanta força. Mesmo que na realidade só existam polígonos e texto rolando na tela... E mesmo assim eles são na minha sincera e mais humilde opinião os melhores polígonos e textos porque foram aqueles que me contaram uma das histórias mais envolventes em minha vida gamer.


E Final Fantasy 7 foi uma história de todos, que jogaram, que buscaram soluções, de como enfrentar chefes, de como tal personagem era legal ou de como tal personagem era bobo e não fazia falta alguma, de quem viu pela primeira vez a Knights of the Round sendo usada e como aquilo demorava (só sendo vencido em tempo pela magia do próprio Savior Saphiroth, Super Nova) de quem só assistiu alguém jogar e que se importou com a morte trágica de Aeris (ou Aerith, decida o que for melhor para você), com o os atos de Sephiroth, sua ascensão a um nível quase divino, as lutas internas de Cloud em busca de redenção e de se reencontrar no mundo.

Toda essa paixão não é só minha (ESSA especificamente no texto, é minha ^^') e em menor ou maior grau, milhares, milhões de pessoas jogaram este jogo, e tem nostalgia, apreço ou emoção mesmo (vide as dezenas de reações no Youtube ao anuncio do remake do jogo); seja na época de lançamento, seja depois na época da pirataria desenfreada do Playstation 1, seja depois ainda  em versões disponibilizadas na Steam (a qual eu tenho) ou pela própria Sony. Mesmo que hoje hajam maravilhas visuais e variedades de gameplays no gênero rpg, que a franquia Final Fantasy esteja numa retomada depois de alguns deslizes (estou olhando para você FF 13), ainda hoje e num futuro (com a vinda do tão esperado Remake) Final Fantasy 7 não será esquecido como um marco e para mim não será esquecido pelo carinho pessoal que tenho por ele. 

Só posso acabar este texto com um muito obrigado. ^^b
E vocês jovens, que jogo traz aquele calorzinho gostoso no coração, algum jogo antigo, um jogo recente que te tocou? Ou mesmo Final Fantasy 7 teve relevância em algum momento da sua vida? Não? Não deixe de deixar sua opinião aqui nos comentários ou em uma de nossas redes sociáles!!! 

Nossas Redes Sociáveis:


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

S04E07 - Rádio dos Catadores (com muito Errê)

Aviso Aos Navegantes!!! Novidades À Vista !!!!

Não Repare na Tomada 00 - Cães, Gatos e Apresentações